segunda-feira, 24 de junho de 2013

Aprendi a cozinhar

Isso mesmo! Aprendi a cozinhar, mas por enquanto apenas pratos básicos! Minha mãe diz que perdeu esse meu “dom”! Mas nem eu sabia que era tão fácil assim cozinhar! Hahaha!!

Esses dias tive que improvisar uma coisa que acabou dando certo. Fui fazer arroz, mas não tinha alho. Na minha falta de experiência, improvisei algo que acabou dando certo. Coloquei na panela aquela pasta de alho da Arisco. E depois de outra coisas, ainda coloquei mais sal. Só depois que minha esposa disse que a pasta de alho já tinha sal. Ou seja... o arroz ficou salgado! Hahaha!! Mas nem tanto! Dava pra comer sem problemas.

Lembrando daquele clássico versículo que diz que nós somos “o sal da terra” (Mateus 5:13) e comparando com essa minha experiência na cozinha, cheguei à duas conclusões:

1. O sal dissolve na água mas deixa o gosto

É comum a gente encontrar igrejas em vários bairros pelo Brasil à fora, mas que se formos fazer uma análise fria, muitas parecem que são sal no saleiro e não sal na comida. Elas estão ali, no metro quadrado delas, não deixam de ser sal, mas estão lá, na deles! Em muitas, você até sente o sabor gostoso do tempero dentro das quatro paredes, mas não sente o sabor deste mesmo sal nas favelas, nos asilos, orfanatos, hospitais, presídios e outros lugares ao redor deste “saleiro eclesiástico”. Quando a Bíblia fala que somos “o sal deste mundo”, quer dizer exatamente que em todas partes do mundo, nos cantos mais remotos ou até mesmo nos lugares mais perigosos e menos “turísticos” do seu bairro, o sal tem que estar presente. Ele deve ser dissolvido no mundo sem deixar de dar o sabor que lhe é devido! O sal não pode ficar dentro do saleiro.

2. Não dá pra diferenciar o sal

A pasta de alho já tinha sal e, mesmo assim, eu coloquei mais sal. Só que em momento algum deu pra diferenciar se aquele gosto era do sal da pasta de alho ou se era do sal que eu coloquei depois. Da mesma forma, não deveríamos diferenciar se o evangelho que pregamos é da igreja A ou da igreja B. Sal é sal. Evangelho de Cristo é evangelho de Cristo! Mas nossas doutrinas umbilicais tem alterado a fórmula do sal, se é que isso é possível. Minha esposa é química e vai poder responder isso bem melhor do que eu. Um dia Cristo vai te perguntar se o evangelho que você tem pregado é realmente o evangelho dEle ou outro qualquer! Espero que essa pergunta não aconteça tarde demais!

Só pra lembrar: “Se alguém vos anunciar outro evangelho diferente do que já recebestes, seja anátema!” (Gálatas 1:9)

Abraços!

Nenhum comentário: