quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Eiii, me ajudem!


Bastante tempo atrás estava com uns amigos numa praia no Rio de Janeiro curtindo um dia de sol. O mar tava calmo, o que permitia a gente ficar um pouco mais distante, mar à dentro.

Eu fui um dos últimos a entrar no mar. Quando entrei, meus amigos já estavam na famosa rodinha de conversa com a água na altura dos ombros. O papo estava bem alegre e isso me fez tentar chegar até eles o mais rápido possível, por isso acelerei o passo.

Não contava que no meio do caminho, com a água ainda na cintura, encontraria um buraco bem fundo. Como estava andando rápido na água, pisei com toda força e não encontrei o fundo, isso me fez ter um câimbra bem forte na perna e acabei me encontrando na seguinte situação: como não conseguia colocar o pé no chão por causa do buraco, fiquei um pouco desesperado, não conseguia nadar e, lá estava eu, me afogando no mar, onde todos imaginavam que estava com água na cintura. Ninguém sabia do buraco que eu me encontrava...

Obviamente, comecei a pedir socorro aos meus amigos, gritando:

- Eiii, me ajudem!!

Ninguém deu crédito ao meu pedido de socorro. Eles simplesmente me ignoravam e ficavam rindo de mim. Não conseguiam ver o grau do perigo que eu estava passando. Lógico! Não eram eles que estavam no buraco, sem conseguir colocar o pé no chão e com câimbra na perna! Só depois de um bom tempo, que um dos meus amigos veio me tirar do buraco.

Vendo essa minha situação calamitosa, com exagero e tudo (hahaha), faço uma pequena reflexão à um versículo que muitas vezes vejo que é lido de forma errada.

- Vocês não sabem que os perversos não herdarão o Reino de Deus? Não se deixem enganar: nem imorais, nem idólatras, nem adúlteros, nem homossexuais passivos ou ativos, nem ladrões, nem avarentos, nem alcoólatras, nem caluniadores, nem trapaceiros herdarão o Reino de Deus. (1 Coríntios 6:9-10 - NVI)

Muitas vezes, olhamos para estes grupos dos que "não herdarão o Reino de Deus" para identificarmos na sociedade ou até mesmo na nossa rede de relacionamentos, aqueles que ficarão de fora, enquanto os "santos" aqui receberão "honras ao mérito" na entrada do Reino de Deus. Quanta ilusão!!

A leitura desse versículo não deve ser feita dessa forma! Não é para fazermos como os meus amigos que me olhavam e zombavam de mim por que eu tava me afogando "no raso", mas são exatamente esses aí, e outros mais, os grupos que nós não temos que medir esforços para tirá-los do buraco! E quando dermos um passo para salvá-los, vamos perceber que o raso, na verdade, não é um local que dá motivo pra gente falar: "que idiota! Tá se afogando no raso", mas é o local perfeito pra gente ter a certeza de que "eu posso ajudar, está ao meu alcance"! 

Muitas vezes, vemos apenas o superficial e achamos que é fácil a pessoa sair da situação que ela se encontra. Mas só quem está no buraco e com câimbras na perna sabe a dificuldade que é colocar o pé no chão.

Quando alguém te pedir ajuda, saiba que ela está vendo em você alguém com potencial para socorrê-la!

Abraços!

2 comentários:

Tereza Badaró disse...

Perfeita a sua reflexão!

Fábio Eça disse...

Muito bom, Clebão! Não sou um exímio "nadador", mas vou procurar estar sempre atento para ouvir um grito! Abração!