quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Ah, você que é Cleber?

Trabalhei longos anos no setor de Pós-Vendas da Insinuante. Cada dia era um problema diferente, um mais louco que o outro. Apesar de tudo, eu gostava muito de trabalhar ali resolvendo os problemas dos clientes.

Um me chamou bastante atenção. Era dezembro, perto do natal. Uma senhora, que estava com um problema na sua TV, já tinha recorrido ao fabricante e nada tinha sido resolvido, resolveu entrar em contato com a gente e lá estava eu!

Foi uma semana inteira intermediando a situação, pressionando o fabricante pra resolver o problema da mulher. Ela me ligava todo dia querendo saber como tava o andamento das coisas. Enfim, autorizaram a troca da TV dessa senhora e ela ficou super satisfeita. Não parava de me agradecer.

Nesse setor, o sábado sempre foi o dia em que a gente mais ia trabalhar com roupas informais. Nada de camisa social, sapato… era o dia que a gente colocava a calça jeans, uma camisa de algodão, bem à vontade. Pois bem, eu pensava que aquela história já tinha acabado. Mas me enganei! Justamente num sábado, o segurança da empresa veio na minha sala dizer que tinha uma senhora na portaria querendo falar comigo. Lá fui eu, calça jeans surrada, camisa de algodão, tênis… Quando cheguei na portaria, tinha uma senhora de aproximadamente 60 anos, super arrumada, colar, brinco, parecia uma árvore de natal (hahaha!) e com uma garrafa de vinho e um panetone na mão. Cheguei pra ela e fui logo perguntando:

- Tudo bom. Em que posso ajudar?

- Eu estou esperando o Cléber. Eu vim falar com ele. - respondeu ela.

- Sou eu. - respondi.

De repente, ela me olha de cima pra baixo, com uma cara de decepção e solta um seco e cabisbaixo:

- Ah, você que é Cleber?

Depois que respondi que sim, a senhora em frações de segundos, me agradeceu, me entregou o vinho e o panetone e desapareceu. Foi tudo muito rápido, quase não tive tempo de agradecê-la. Acho que ela estava esperando um senhor de 60 anos, alto, cabelos grisalhos… rico. Eu não era o que ela imaginava. Eu não sei se foi a minha voz ou a forma calma como eu falava que fez a mulher ter uma outra imagem de mim.

Vejo que temos vivido tempos onde cada vez mais, a imagem que passamos nem sempre reflete quem realmente somos. Pessoas dóceis, amorosas, fortes, seguras nas suas decisões e muito mais, escondem por dentro pessoas totalmente diferente. Acabadas, cansadas dos problemas, do trabalho, da família, cansadas, até mesmo, da própria vida.

Será que a imagem que você tem passado, reflete quem você realmente é? Você é quem você parece ser? Será que por trás dessa pessoa alegre, dinâmica, participativa, trabalhadora, está uma pessoa que precisa de uma ajuda urgente?

Faça essa oração:

"Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração; prova-me, e conhece os meus pensamentos. E vê se há em mim algum caminho mau, e guia-me pelo caminho eterno." (Salmo 139: 23-24)

4 comentários:

Danny Ramos disse...

Muito boooooom... olha tá ficando cada vez melhor!
Só pra continuar a reflexão... será que nós olhamos verdadeiramente para as pessoas à nossa volta vendo o que elas realmente precisam?! Perguntamos ou julgamos?! Hummm.. Deve ter uma explicação do pq algumas pessoas não querem mostrar quem realmente são... será a HIPOCRESIA das outras, será o JULGAMENTO SOCIALISTA... eu te digo q em muitas vezes eu não quis mostrar o que realmente estava sentindo por conta das críticas... quem gosta de ser criticado? Pessoas maduras, imaturas, não importa...ninguém gosta...algumas aprendem a tolerar as críticas.. BOA SAÍDA! Algumas simplesmente se escondem...acredito eu que seja porque a maior parte ainda não aprendeu a AMAR! My point Clebis... ameeeei esse texto! Que Deus continue te abençoando muito!!!

Anônimo disse...

"Eu não sei se foi a minha voz ou a forma calma como eu falava que fez a mulher ter uma outra imagem de mim."

Acho que foi sua cabeça hein Crebs? pela sua voz ela achou q era normal mas quando ela bateu o olho, nooossa haha

Ultimamente eu tenho pensado por outro lado... quando as pessoas "finalmente me veem" elas tem um choque por causa pré conceito (literalmente). O Senhor rico de 60 anos nem sempre é o que voce passou pra ela, muitas vezes ela ja ligou esperando falar com o big boss e talvez ela ja tivesse uma imagem formada desde antes da ligacao. Pensando por esse lado, é até vantagem "assustar" e mostrar que o Cleber de verdade é o Crebs de calça jeans, muito melhor do que o Senhor rico que ela esperava conhecer (ou casar pra ficar com a grana dele hehe)

Matheus.

Evelyn Brito disse...

Clebinhoo.. *--*
nossa, simplesmente eu sou muitissima abençoada com seu blog!
Engraçado que ontem fui ao salão e uma moça começou a conversar comigo sobre o fim dos tempos, e aí me veio a história da mala, haha... contei para ela e perguntei oq ela estava colocando na mala era pra onde ela iria, haha... não sei o que ela fez dpois, mas de qual quer maneira repassei a msg q eu tinha sido abençoada anteriormente...
xD

Sara disse...

adorei, texto, mensagem, seu blog. tudinho. parabéns.