sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

A angústia de Santos Dumont

Quando eu era criança ficava brincando de ser "Santos Dumont". Ganhava carrinhos com motor e já ia logo desmontando ele. Nem brincava muito com ele. Ia direto pra caixa de ferramentas do meu pai, pegava a chave de fenda e em questão de minutos as peças do carrinho estavam espalhadas pela mesa. Tirava o motor, colocava um palito de picolé na ponta dele e ficava tentando inventar uma forma dele voar. Nunca consegui. Mas pelo menos tentei! Hahaha!!! Eu não era tão inteligente quanto Santos Dumont.

Li uma vez que uma das hipóteses para o motivo que levou Santos Dumont a cometer suicídio foi o fato de ele ter visto aviões que ele criou sendo usados para uma batalha entre o estado de São Paulo e o governo de Getúlio Vargas. Ele ficou tão decepcionado que algo que ele havia criado para o bem, estava sendo usado para o mal e cometeu suicídio. Deve ser uma sensação sinistra mesmo! Uma angústia sem limites.

Quando eu leio Isaías 1 tento imaginar o que estava passando-se pelo coração de Deus.

- Criei filhos e os fiz crescer, mas eles se revoltaram contra mim. O boi reconhece o seu dono, e o jumento conhece a manjedoura do seu proprietário, mas Israel nada sabe, o meu povo nada compreende. Ah, nação pecadora, povo carregado de iniqüidade! Raça de malfeitores, filhos dados à corrupção! Abandonaram o Senhor; desprezaram o Santo de Israel e o rejeitaram. Por que continuarão sendo castigados? Por que insistem na revolta? A cabeça toda está ferida, todo o coração está sofrendo. (ver. 2-5)

Que tipo de filho nós somos? Por que insistimos em viver para nós mesmo e ignoramos abertamente as coisas que Deus pede para nós? Por que insistimos em não confiar nEle? Por que nossas vidas não refletem a Sua glória? Por que não amamos ao próximo como a nós mesmo? Por que? Por que? São tantos os "por quês" que inquietam a gente, perguntas que muitas vezes não querem calar e, na maioria das vezes, as respostas não nos agradam e nem são fáceis de serem ouvidas.

O Fruto Sagrado resumiu bem essa situação na frase de uma música deles que diz: "na verdade, não somos bons filhos!" E é isso mesmo! Não somos bons filhos!

Na continuação do capítulo 1 de Isaías surge um pedido, que parece uma imploração de Deus para nós, que diz o seguinte:

- Lavem-se! Limpem-se! Removam suas más obras para longe da minha vista! Parem de fazer o mal, aprendam a fazer o bem! Busquem a justiça, acabem com a opressão. Lutem pelos direitos do órfão, defendam a causa da viúva. "Venham, vamos refletir juntos", diz o Senhor. "Embora os seus pecados sejam vermelhos como escarlate, eles se tornarão brancos como a neve; embora sejam rubros como púrpura, como a lã se tornarão. Se vocês estiverem dispostos a obedecer, comerão os melhores frutos desta terra; mas, se resistirem e se rebelarem, serão devorados pela espada". Pois o Senhor é quem fala!

- Arrependam-se, pois, e voltem-se para Deus, para que os seus pecados sejam cancelados. (Atos 3:19)

Mova-se! Ainda dá tempo!

Abraços!

Nenhum comentário: