quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Será que valeu a pena vir pra cá?

Um tempão atrás, eu comecei a trabalhar numa empresa e, como em todo início em novo trabalho, eu tava naquele clima de adaptação ao novo ambiente, aos novos colegas de trabalho e a nova empresa.

Mas não contava que eu iria ganhar de "presente" uma pessoa que iria passar a me perseguir por várias coisas. Em questões de dias, a sensação de alegria por estar numa nova empresa, aquele clima gostoso de desafio, deu lugar a um sentimento de "será que valeu a pena vir pra cá?"

Os dias passavam e as coisas só pioravam. Cada dia era um novo desafio para manter o domínio próprio, a mansidão, a paz… Mas eu comecei a ser confrontado com vários versículos bíblicos, um atrás do outro. Vou colocar dois deles aqui embaixo:

- Portanto, se você estiver apresentando sua oferta diante do altar e ali se lembrar de que seu irmão tem algo contra você, deixe sua oferta ali, diante do altar, e vá primeiro reconciliar-se com seu irmão; depois volte e apresente sua oferta. (Mateus 5:23-24)

- Nós sabemos que passamos da morte para a vida, porque amamos os irmãos. Quem não ama a seu irmão permanece na morte. (1ª João 3:14)

Eu, então, comecei a orar para Deus me dar uma estratégia de como acabar com esse clima por dois motivos: Eu sabia que deveria amar o meu próximo e também sabia que nada, nem mesmo isso, era impossível para Deus!

Foi aí que Deus me mostrou o quanto ele gostava de café. Então todo dia eu ia na cafeteira e trazia um copo de café pra ele, mesmo sem ele pedir. E passei a repetir isso por vários dias. Até que chegou um dia que aconteceu o contrário. Ele trouxe um café pra mim. As perseguições já não existiam mais e a relação que antes era nada boa, passou a ser de grandes amigos. E assim somos assim até hoje, mesmo já não estarmos mais trabalhando juntos.

Tenho visto que quando uma pessoa tem um problema com outra, o que acontecem são aquelas orações somente pra tentar (inutilmente) deixar a "consciência tranqüila". Não existem orações com pedidos para Deus fazer a obra completa (!!!) e fazer com que essas pessoas venham a tornar-se grandes amigas. E o lance não é que a pessoa não acredite que Deus possa realmente fazer um milagre, mas é porque, na verdade, uma não quer a amizade da outra. Não existe perdão genuíno.

Muitos acham que o que está escrito em Romanos 12:18 ("façam todo o possível para viver em paz com todos") quer dizer "não tenho nada contra, mas é ele lá e eu cá". Isso está errado! Não é isso!!! Existe uma diferença gigante entre "ter paz" e "ser indiferente". Ter paz é o mesmo que não ter nada contra a pessoa. Qualquer coisa fora disso, não é paz. Se pelo menos uma única coisa, por menor que ela possa ser, te faz ter restrições com alguma pessoa, saiba que você não tem paz completa e está tentando enganar a si próprio. Aquele versículo ali em cima de 1ª João faz uma ressalva a quem "não ama". Amar não é aturar. Amar é gostar de estar junto, é ter prazer na outra pessoa, é ter coisas boas pra falar dela e muito mais além disso!

Termino com um versículo que é um alerta:

- Quem poderá subir o monte do Senhor? Quem poderá entrar no seu Santo Lugar? Aquele que tem as mãos limpas e o coração puro. (Salmo 24: 3-4a)

Suas mãos estão limpas e o seu coração está puro em relação ao seu próximo? Não??? Tome cuidado!

Abraços!

3 comentários:

Mari εïз disse...

Bom texto amigo. Apenas não entendo o "amar é gostar de estar junto". Para mim amar é querer o bem e gostar é querer estar perto. Creio que é possível amar sem gostar. Penso que esse amor que sempre devemos aos outros não é o relacional e sentimental e sim o amor traduzido em atitudes e serviço.
Ahh...só para deixar registrado: eu AMO você GOSTO muito da sua companhia :)

vell disse...

Poxa, gostei muito. E me fez pensar.. beijos

Luíza Britto disse...

Realmente, amar é
diferente de aturar e querer bem! otimo texto. OBRIGADA :)