quinta-feira, 14 de abril de 2011

A tragédia do Rio poderia ser evitada

Antes de mais nada, quero dizer que não vou defender aquele cara que assassinou as crianças na escola. Mas também não vou criticá-lo. Vou apenas tentar dar uma outra conotação para a tragédia.

Estive lendo algumas coisas sobre o que aconteceu naquela escola em Realengo no Rio de Janeiro e ontem me deparei com umas matérias que me chamaram a atenção. Era uma entrevista com o irmão do cara que assassinou as crianças. Ele falou sobre a família e sobre muitas outras coisas. E disse também que a mãe era muito religiosa.

Fiquei viajando em várias coisas em relação a esse fato de a mãe adotiva dele ser religiosa. Ele não disse se ela era evangélica, católica ou de qualquer outra, mas creio que o assassino também chegou a participar da mesma religião dela. Também teve a oportunidade de ter a mesma conduta que era uma característica da mãe. Mas que, por uma razão ou outra, saiu dessa tal religião.

Não sei se foi o caso dele, mas sei de muitos que deixaram de ir pras igrejas que freqüentavam por causa do mal testemunhos que muitos davam dentro da própria igreja e hoje estão perdidos na bebida, drogas e outras coisas. Sei que alguns vão dizer que "se a pessoa sai da igreja por causa disso, é porque, na verdade, ela nunca foi cristã" e outros vão dizer que "essas pessoas tem que aprender que não devemos olhar para os homens e sim para Deus". Sem falar nos que vão dizer que "essa é a separação natural do joio e do trigo". São respostas automáticas muito bonitinhas. Mas a Bíblia me diz em Lucas 17:1:

- Disse Jesus a seus discípulos: É impossível que não venham tropeços, mas ai daquele por quem vierem!

Uma coisa sempre me chama a atenção nesse versículo: "ai daquele"! Você consegue imaginar o que isso quer dizer? Eu não! Prefiro nem pensar na dimensão que isso pode ter!

Quantas pessoas vivem uma vida voltadas somente para si. Não se importam com os que estão do seu lado, com a sua conduta, em dar frutos que geram vida. As pessoas que convivem com você ou aquelas que simplesmente passam pela sua vida sem um contato mais íntimo, são atraídas ou ficam mais distantes de Deus quando observam a sua forma de viver? Você tem sido pedra de tropeço em alguma área da sua vida, seja no trabalho, no trânsito, na escola/faculdade ou na sua própria casa?

A tragédia do Rio poderia ser evitada se esse cara encontrasse pessoas que o trouxesse para mais próximo de Deus e não o contrário. Mas eu te pergunto: quantos "Wellingtons" passam por você todos os dias e você não percebe e nem dá a eles uma oportunidade de ver a luz de Cristo? Pior ainda: será que as suas atitudes faz alguém tropeçar e não conseguir mais levantar?

Pense bem sobre isso!

Abraços!

Um comentário:

Scarlett Porto disse...

estou sempre pensando nisso.